sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Dois povos na cruz


40: Respondendo, porém, o outro, repreendia-o, dizendo: Tu nem ainda temes a Deus, estando na mesma condenação?
41: E nós, na verdade, com justiça, porque recebemos o que os nossos feitos mereciam; mas este nenhum mal fez.
42: E disse a Jesus: Senhor, lembra-te de mim, quando entrares no teu reino.

Lc 23: 40-42

Os ensinos de Jesus são tão maravilhosos que poderíamos escrever infinitas mensagens somente com os ensinamentos que Ele deixou no momento mais difícil que passou, qual seja, sua crucificação. Mas vemos aqui no texto o diálogo que transcorreu entre o Senhor e os dois malfeitores que ao seu lado foram crucificados. A mensagem deles nos mostra exatamente a existência de dois povos muito distintos. Primeiramente é de se lembrar que ambos tinham algo em comum: esperavam a morte.
A semelhança é essa. Diz a Palavra que o salário do pecado é a morte. O homem não tem como fugir dessa sua “crucificação”.
Mas há algo que nos diferencia; um dos malfeitores crucificados com Jesus pediu que lembrasse dele para a ETERNIDADE. Já o outro, em tom de desafio, pediu para descer da cruz. Existem dois povos hoje muito bem separados pelo desejo que movem seu coração. Em comum: falam de Jesus, mas trazem princípios completamente diferentes. Há um povo que clama dia e noite pela vinda de Jesus, que ora, madruga, jejua, em favor da manutenção da sua vida espiritual, e não pense que isso é tarefa fácil, Jesus disse que se os dias finais não fossem abreviados, até mesmo os escolhidos seriam enganados. E existe um outro povo, que somente busca coisas terrenas. O desejo deles é “desafiarem” ao Senhor. Fazer prova do poder de Deus e usam como medida a prosperidade, o show, a aparência. Se Jesus atendesse o desejo daquele condenado, talvez ele desceria da cruz, voltaria a fazer tudo que sempre fez, roubar, matar, mas agora com um diferencial, faria isso EM NOME DE JESUS, afinal de contas, era Jesus que o tinha permitido estar ali.
Dois povos distintos, um clama por salvação, por mim, por nós, pela nossa família, vizinhos, colegas de trabalho, etc, os demais pensam nas coisas dessa vida. Será que essa história acontece nos nossos dias?

4 comentários:

  1. Leio todas as mensagens que envia a mim através desse blog e sempre leio com toda atenção que me dada. São todas ótimas, alimento genuíno, aprendo bastante e concerteza é muito edificante.

    Abraço

    ResponderExcluir
  2. Dois povos que se perpetuam até hoje....

    ResponderExcluir